segunda-feira, 13 de julho de 2009

é

Não tinha nada ali
era tudo só luz e
brilho e
tinha saudade
ali.
Tinha muita saudade
espalhada por
tudo.
Era um ser
e não ser.
Mas, ah,
era realidade,
era mesmo
realidade.
Era uma paixão nascendo.
Era um medo morrendo.
Era um
para-sempre
definhando.
Era um
e
já foi.

2 comentários:

Sacha disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
ladylethal disse...

É uma luz que acende dentro da gente, um brilho que existe dentro do ser, pronto a ser aceso a qualquer momento e invariavelmente, a chama apagar, a qualquer hora, sem avisar.